Seguir

Que medo! :blobsweats:
_ Desse corredor?
Não, de fazer compras... :AngeryCat:

@david Pelo menos n sou a única q tem medo de fazer compras :v

@fantasminha eu já não sou muito sociável, na pandemia então, esse povo negacionista que vai de bando fazer compras, coloca máscara no queixo pra cuspir nos produtos. SOCORRO!

@david Justamente, quem ja tinha ansiedade social como eu depois dessa pandemia n pisa fora de casa nem morto.

Agora q vou ter q voltar pras aulas presenciais eu vou ter dificuldade demais pra voltar ao ponto de progresso q eu tava, tipo download quebrando no final do processo.

@fantasminha estamos levando meu filho na psicóloga faz 2 meses (além das outras terapias que ele faz) já prevendo essa dificuldade de adaptação com a volta das aulas presenciais... Tenso...

@david Ainda bem, estão fazendo o certo. Eu e meu irmãozinho tamo tento que superar isso tudo na raça mesmo, mas assim q possivel vamos arrumar um tratamento.

@david @fantasminha bom ver que ainda tem gente responsável nesse mundo e põe filho pra terapia, meu sobrinho tem autismo, os país dele não aceitam e não querem levar pra médico, tanto que até hj ele não tem diagnostico

@humanista @david Meu tio tbm tem um filho com autismo mas ele acha q isso é tudo mentira e ele só precisa da ajuda da igreja pra se curar.

@fantasminha @humanista é muito complicado, sei por experiência de pai que também teve certa resistência, que a aceitação é complicada e talvez tenha me ajudado por perceber que eu também devo ser em algum grau pois muita coisa que a psicóloga apontava nele foi coisa que eu tive e aprendi (leia-se: me adaptei) da pior maneira quando criança (ouvindo "isso é frescura" etc). Meu amigo também tem um filho autista, o apoio pra ele foi muito importante. É diferente pra cada um e o apoio é essencial!

@humanista praticamente tudo que se faz fora de casa sou eu quem esta fazendo na pandemia. Só dor e sofrimento... Rsrs

Entre para participar dessa conversa
Mastodon Brasil

O mastodon.com.br é uma instância voltada para falantes de português brasileiro. Com a intenção de ser um espaço acolhedor e menos tóxico, tentamos ser uma instância que abriga pessoas de todas nacionalidades, etnias, formatos de corpos, gêneros, de identidades e orientações sexuais diversas, feministas, neurodivergentes, independente de religião, raça e orientação política.